e13aa251-53f7-4019-b4b3-7fea852b9f28.jpg

Herança

I.png

O município de Valverde del Camino está localizado no centro da província de Huelva. A origem do seu povoamento data de 1262, sendo denominada Facanías em referência a um passado vinculado ao Reino de Taifa de Niebla. Entre 1481 e 1492 passou a se chamar Valverde del Camino, topônimo baseado na morfologia do lugar (Vale) e sua vegetação (Verde), enquanto sua preposição indicaria sua condição de lugar de passagem para caminhantes, arrieiros dada a presença de a estrada romana que unia Onuba com Urium, da qual permanecem vestígios.


A população dedicada às tarefas típicas da era moderna (moleiros, fazendeiros, vaqueiros) sofreu uma mudança radical com a chegada das mineradoras inglesas que, na segunda metade do século XIX, exploraram o subsolo e construíram a primeira ferrovia mineira em Andaluzia.


O artesanato vinculado à localidade foi se desenvolvendo e avançando configurando o atual tecido empresarial voltado principalmente para o setor terciário. São muitos os serviços oferecidos pela cidade (Conservatório de Música, supermercados, escolas de línguas, uma ampla gama de espaços desportivos, atividades culturais), o que a torna ideal para a instalação de cidadãos de outras cidades e nacionalidades que se estabelecem em Valverde del Camino o seu lugar de residência.

dolmen de los Gabrieles 2.jpg

Complexo Los Gabrieles Dolmen

Os locais próximos à atual população atestam a importância desta área na Idade do Bronze. O sedentarismo do homem neolítico, condicionado pela prática de atividades agrícolas e pecuárias, exerceu considerável influência em sua vida espiritual e em seus costumes fúnebres. Os dolmens têm a funcionalidade adequada de sepultamentos coletivos. Dos monumentos megalíticos que existem na área, três se destacam: Los Gabrieles (6 monumentos), El Pozuelo (13 grupos) e Cabezo de la Hueca (2 monumentos) entre os povoados florestais de Manzanito e Guijo.

Camino Romano.jpg

Civilizações mediterrâneas

Os povos do Mediterrâneo oriental se estabeleceram nessas terras, sem dúvida atraídos pela fertilidade do solo e, sobretudo, pela riqueza das minas próximas. Por volta de 200 aC, os romanos chegaram a esta área, deixando inúmeros vestígios de sua presença. A estrada romana era usada para transportar minerais das minas para o mar. Atravessa o concelho de Valverde de norte a sul e ainda é visível em alguns troços. Até ao século XIX serviu de via de penetração para a Serra de Huelva.

Herança religiosa

Igreja Matriz de Nossa Senhora do Resto

Data do primeiro terço do século XVI. Sua planta em cruz latina consistia em nave única com duas seções com abóbadas vazadas e hemisféricas. Após o terramoto de Lisboa (1755), foi alongado um troço até aos pés, acrescentando duas naves laterais, duas capelas colaterais e outras dependências. Executado em linguagem barroca, mantém o tom classista da construção renascentista. Abriga importantes talhas do imaginário de Huelva e o seu mecenato é dedicado à Virgen del Reposo, que preside o altar-mor. As três fachadas conservam os retábulos pictóricos de azulejos sevilhanos do século XVII.

Valverde del Camino iglesia parroquial d

Ermidas

Procesión de Santa Ana.jpeg

Ermida de Santa Ana

Situada a nascente, a sua construção data do século XVI, e situa-se no primeiro núcleo populacional situado em torno das "As quatro casas" e da Igreja Matriz. Sua devoção foi relacionada a Doña Ana, esposa de Don Alfonso de Guzmán, VII Duque de Medina Sidonia, aparentemente muito devotada ao santo de seu nome. Este antigo templo passou a fazer parte do atual Convento das Irmãs da Cruz no início do século XX. Durante a “Vela” em julho, a imagem é processada no domingo mais próximo de seu festival.

Ermita de la Trinidad. AMM (25).JPG

Ermita de la Trinidad

La construcción de esta ermita, situada al oeste de la población, se remonta al primer tercio del siglo XVIII, cuando en 1718 se celebra un festival taurino benéfico para sufragar esta capilla, y colocar en ella el altar-cuadro y retablo del misterio de la Santíssima Trindade. Possui nave retangular abobadada, que termina no altar e é coroada por uma cúpula. A sua construção realizou-se sobre um antigo lazareto onde ficaram isolados os doentes das epidemias de cólera que atingiram a Andaluzia no início desse século. Ele mantém sua estrutura original integrada.

Valverde del Camino.jpg

Ermida da Santa

Antiga ermida dedicada a San Sebastián (início do século XVIII), este templo de estilo barroco (1952-1960) é inspirado na arquitetura barroca sevilhana do século XVIII, sendo consagrado em 12 de março de 1961. Situado ao sul, possui um andar térreo cruz latina retangular e transepto coberto por cúpula meio laranja e capelas laterais que sustentam tribunas. Atrás do altar-mor está a imagem do Pai Nosso Jesus das Três Quedas, conhecido como “O Senhor dos Santos”. As outras duas imagens devocionais, María Santísima de la Soledad e JHS del Santo Entierro complementam este conjunto escultórico de grande devoção.

Praça de touros

Os primeiros dados sobre as touradas datam de 1642, mas foi só em 1717 que as comemorações das touradas foram realizadas na praça pública chamada del Coso. A praça foi construída em 1828 com cal, borda e tijolo nas extremidades. É circular, com um anel de 35 metros de diâmetro e 7,5 metros de perímetro com uma caixa. Quase todas as principais figuras da tourada já se apresentaram, estando intimamente ligadas à dinastia Litri. A última modificação que a praça sofreu foi em 2011, quando foi equipada com um beco.

Plaza de Toros.jpg
Valverde del Camino Casa Dirección y jar

Herança britânica

Desde meados do século XIX, várias empresas de capital britânico tiveram a sua sede em Valverde del Camino. A partir do ano de 1876, a única casa vitoriana existente na Espanha é preservada. Em 1912, a empresa The United Alkali construiu a Casa da Diretoria que abriga o museu com o mesmo nome. A cidade preservou outros edifícios de origem ferroviária como a estação, escritórios, oficinas e casas do pessoal britânico que hoje têm diferentes usos.

campanillero.JPG

Artesanato e Indústria

A tradição artesanal de Valverde del Camino começou a se firmar no século XVIII e está ligada às principais fontes de riqueza do local: pastoreio, agricultura e pecuária. Em meados do século XIX, o número de artesãos aumentou consideravelmente, em detrimento dos agricultores que trabalhavam em terras áridas e improdutivas. Com o início do século 20, a indústria foi deslocando as atividades artesanais tão arraigadas nos séculos anteriores. Mas ainda existem redutos artesanais muito importantes, como caminhoneiros, seleiros, sapateiros e entalhadores.

Paisagens naturais

Situada no Andévalo Oriental, tem o seu termo municipal definido pelos rios Odiel e Tinto. Temos diferentes bancos bem conhecidos pela abundância de espécies vegetais e selvagens, com um endemismo da área como Erika Andevalensis. Para valorizar a paisagem natural desta vila, vários percursos foram marcados para divulgar o património ambiental, mineiro e histórico. Ao sul se destaca uma área de coníferas centenárias que constituem a grande área residencial de Los Pinos, um dos pulmões verdes do nosso meio ambiente.

Revueltacdel Risco.jpg